O Corpo

Tão nosso e tão distante, tão palpável e tão infinitamente desconhecido, tão presente e tão curiosamente inalcançável!

~

Partilho uma reflexão sobre o Corpo, pois esta é a minha ferramenta de partilha com o mundo através do movimento e da dança, mas da qual só muito recentemente comecei a tomar consciência, apesar de trabalhar quase diariamente com o corpo há já quase 30 anos.

~

Quantas de nós nos permitimos dizer que conhecemos e sentimos o nosso corpo?

~

Quantas de nós o valorizamos, o amamos e aceitamos tal qual ele é?

~

Quantas de nós já o entregamos a troco de não saber impor limites, respeito e por uma enorme falta de valorização e auto-estima?

~

Quantas de nós já o entregamos só para não desagradar, para cumprir calendário no namoro ou casamento, para cumprir com as regras ditadas por milhares de anos de crenças, passadas em forma de tradição, familia, religião, sociedade, cultura?

~

Quantas de nós nos permitimos senti-lo e pensá-lo sem vergonha, sem partes feias e pecaminosas, sem preconceito e sem julgamento do bem e do mal? Do que está certo e do que está errado? Do que os outros possam pensar?

~

Quantas de nós podemos dizer que somos fieis aos pulsos e impulsos, à expressão daquilo que vem de dentro e se deseja expressar? Quantas vezes calamos em nós o sentir por medo de expressar, do julgamento do outro, cedendo todo o nosso poder?

~

Quantas de nós nos tocamos para despertar o prazer, o valor, o amor deste corpo que é tão sagrado como o espirito, pois é na verdade Este manifestado na matéria: Espirito, Alma, Corpo, a famosa Sagrada Trindade, UNA e INSEPARÁVEL!

~

Mulheres, amigas, companheiras e homens também, pois somos todos UM e dentro de todos existe a energia sagrada do feminino e do masculino, o Corpo é única forma que temos de Expressar, Experimentar, Integrar e Transcender!

~

O Espirito faz-se Corpo para poder Evoluir, não para se querer libertar dele!

Só através do Corpo, que é a âncora do nosso espirito (a nossa mente) e alma (as nossas emoções) aqui na terra, podemos evoluir na nossa jornada de Transformação!

~

A nossa BIOLOGIA é tao SAGRADA como o AMOR que sentimos, pois ela é aquela que nos permite SENTIR e SER Amor!

~

Quanto mais negarmos o Corpo, o julgarmos como sujo, pecado, vergonhoso, o querermos mudar, o não aceitarmos, mais nos afastamos da nossa Inteireza, da nossa Essência, na nossa plenitude e Coerência interna e externa, mais nos afastamos do nosso grande poder de criar e gerar vida de forma consciente e dessa forma darmos o nosso grande contributo ás gerações futuras!

~

Em nós, no nosso Corpo, na nossa memória celular vivem todos os nossos antepassados, as suas crenças, sonhos, emoções, limitações!

Somos o resultado de todos eles e neles, nesses traumas, sonhos, emoções reprimidas e aspirações ao longo de gerações e gerações, podemos encontrar o combustível para nutrir a nossa Evolução.

Não negar e virar costas, mas reconhecer, aceitar e amar em consciência e entendimento, para que em nós e através de nós todos esses processos estagnados e bloqueados, partilhados de pais para filhos ao longo de tantas gerações se possam TRANSFORMAR E GERAR VIDA!

~

Das sombras nasce a Luz, porque a sombra não é mais do que ausência da Luz, mas é nela que reside o grande propulsor da evolução da nossa jornada!

~

Não tenhamos pois medo de olhar de frente os grandes monstros que nos habitam, pois são nossos, fazem parte de nós, são a nossa herança, e só quando os vemos e lhes damos voz, só quando os reconhecemos como distorções da luz que são, eles se convertem em SABEDORIA e TRANSCENDÊNCIA!

~

Reconhecer, aceitar, amar, respeitar, celebrar, tocar, abraçar, sentir, prazer, liberdade, valorizar, agradecer, expressar, fluir, expandir, vibrar, soltar, respirar, relaxar, acariciar, criar, curar, integrar, transformar são as palavras que me vem quando, em mim começo a integrar todo este universo que em mim está contido e que de mim unicamente depende, pois sou a criadora da minha vida e ela, de fora para dentro, apenas me devolve o eco da minha própria vibração criadora!